Dizem que a pessoa que viverá 150 anos já nasceu. Certo ou não, a longevidade passou a ser mais um ingrediente numa complexa composição do ecossistema, que vai desde a produtividade, passando por carreira, prazer, vida social, meio ambiente e padrões de consumo, onde teremos que equilibrar todos estes malabares para vivermos tantos anos com saúde.

Tal impacto se dá em todos os setores. O País hoje tem 14 milhões de desempregados e poucas chances de serem absorvidos pelas empresas. Para agravar, especialistas preveem que, em 20 anos, 50% das horas de trabalho atuais serão eliminadas pela automação. E neste marco do envelhecimento ativo, as pessoas terão que identificar suas capacidades e competências para partir para uma carreira solo, criando o próprio emprego.

Para responder à revolução da longevidade, é preciso criar uma cultura do cuidado, para que tenhamos qualidade de vida até o final da nossa existência. É preciso, então, repensar nossas carreiras e como vamos nos manter por tantos anos, tanto do ponto de vista financeiro como de ter uma profissão que nos satisfaça por toda jornada. Mudanças demográficas e oscilações de mercado levarão profissionais a transitar entre diversas áreas ao longo da vida.

Migração contínua entre várias ocupações será constante e haverá uma sequência alternada entre estágios, cursos e novas profissões, colocando na alça de mira nossa estabilidade. A exigência dos talentos irá então evidenciar a importância do autoconhecimento para fazer escolhas mais assertivas e eficazes.

Saber quais são seus talentos e tudo o que é capaz de fazer com perfeição será determinante para encontrar áreas de atuação onde se sentirá útil, produtivo e engajado de corpo e alma com o que se faz. Mais do que nunca, as inteligências sociais serão essenciais para transitarmos entre as diversas ocupações. O livre fluxo de talentos exigirá habilidades transfuncionais para lidarmos com tantas frentes de trabalho e acatarmos as múltiplas decisões que o mercado vai nos impor.

* Por: Luciana Boschi. Psicóloga, especialista em grafologia e parceira do Instituto RHLF.